O que é o Growth Driven Design?

A expressão Growth Driven Design entrou agora na linguagem comum. Mas o que exatamente significa este novo termo?

Redesign” ou redesenho de um site, atividade que muitas vezes causam frustrações e ansiedade nas mentes dos empreendedores. Isso ocorre porque essas “palavras” geralmente indicam meses de trabalho em termos de reformulação, planejamento, análise, testes e muito mais. Atividades que prejudicam o desempenho das tarefas diárias e implicam em um esforço para repensar hipóteses ou mudanças que podem melhorar os negócios de um site depois que ele foi lançado.

O ponto é este: toda a equipe da empresa não pode se dar ao luxo de pausar suas atividades para se dedicar ao redesenho do site.

Como podemos alcançar melhores resultados? O Growth Driven Design pode ser a solução que você está procurando.

Growth Driven Design (GDD): definição

O Growth Driven Design é capaz de minimizar os riscos relacionados ao design tradicional da web porque, graças a uma abordagem sistemática que reduz o tempo de desenvolvimento e colocação do site em produção, permitindo que você se concentre no impacto real, no aprendizado e na melhoria contínua.

O aprendizado e melhoria contínua são elementos fundamentais do GDD, pois é um processo iterativo e contínuo, ao contrário do web design tradicional, que tende a ser reduzido a um evento único e gigantesco. Na verdade, em vez de planejar toda a solução de uma só vez, o Growth Driven Design concentra-se em etapas evolucionárias e no alcance de metas de curto prazo. Abordagem certamente menos cara e arriscada.

Em vez de redesenhar um site a cada dois anos, com conteúdo desatualizado que se alinham com os objetivos de negócios, o GDD divide as fases do projeto em entregas evolutivas, com base em testes e otimizações derivadas da análise do comportamento do visitante no site. Essa solução também fornece uma perfeita integração entre marketing e vendas, a fim de atingir metas concretas e compartilhadas.

Desta forma, o GDD oferece um modelo mais flexível pelo qual as empresas podem mudar seus planos de ação com base nas condições e obstáculos que encontrarem.O modelo permite que o site evolua continuamente de acordo com o comportamento do público e resultados de atração, conversão e vendas, se tornando cada vez mais o principal vendedor da companhia, especialmente se aliado a outras estratégias, como o Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo

growth-driven design

Growth Driven Design (GDD): como funciona

É possível dividir a GDD em duas macro-etapas: uma que inclui estratégia e lançamento no site (com duração de aproximada de 8 semanas) e uma subsequente que fornece desenvolvimento iterativo e melhoria contínua (que ocorre aproximadamente durante os onze meses seguintes).

Fase 1: Estratégia e lançamento do site

Como no web design tradicional, o processo de GDD começa com o planejamento estratégico e a identificação de objetivos precisos, a fim de ter uma compreensão clara do que estamos tentando alcançar e de quem é o público de referência.

Uma vez que as metas e objetivos foram definidos, é aconselhável iniciar uma análise quantitativa, analisando o site e seus dados, a fim de entender como os usuários chegam ao site e interagem com ele. Além de coletar um feedback importante do usuário, esta pesquisa trará quais os problemas críticos e pontos fracos, ajudando a avaliar quais oportunidades aproveitar para melhorar a experiência do usuário. Especificamente, contribuirá para esclarecer alguns pontos, tais como:

  1. Porque os usuários visitam o site.

  2. A proposta de valor que eles recebem.

  3. Como os usuários chegam ao site.

Em poucas palavras explicar por que certas ações são realizadas em um momento específico e da maneira em que incorporar esses insights sobre uma estratégia global destinada a melhorar.

Última etapa, realizar um brainstorming entre os diferentes membros da equipe, a partir do qual você recebe uma lista de desejos que contém os pontos-chave para melhorar o site. O processo de implementação dessa lista de desejos começa seguindo a regra 80/20, ou seja, desenvolvendo 20% das ações que geram 80% do impacto nos usuários.

Em seguida, a atenção está focada no processo de design das características padrão, tais como:

  1. Mensagens e Conteúdos
  2. Arquitetura de informação e experiência do usuário
  3. Wireframe
  4. Design e Skin
  5. Desenvolvimento web
  6. Teste

Terminado isso, é necessário coletar as informações para desenvolver o projeto qualitativamente e quantitativamente através do site. Especialmente em relação a:

  1. Identificação de um objetivo para cada fase.
  2. Cada suposição específica definida.
  3. Cada métrica deve ser medida para atender os pontos da lista de desejos.

Nesta etapa, é importante identificar quais aspectos e elementos do site têm maior impacto e planejar quais serão incluídos no processo de otimização. A avaliação pode basear-se nestes critérios:

Submit

Desempenho vs. objetivos: avaliar quanto o desempenho do site está alinhado com o alcance de objetivos específicos e, com base nessas considerações, identificar possíveis oportunidades de melhoria.

Pesquisa e coleta de dados: sempre com base no desempenho do website e comportamento dos usuários em relação ao site é adequado criar considerações em relação aos dados coletados e quaisquer pontos para adicionar à sua lista de desejos.

Alinhamento entre marketing e vendas, em vista do aumento das conversões, os dados e os pontos de vista das duas equipes são essenciais para melhorar o desempenho da conversão.

Melhoria da User eXperience: as melhorias feitas no site dão ao usuário uma experiência melhor e tornam a navegação mais imediata. Isso nos permite satisfazer pesquisas e atender às necessidades expressadas pelos usuários.

Fase 2: desenvolvimento iterativo e melhoria contínua

Uma vez liberada a primeira versão do site, é necessário iniciar a fase de otimização para melhorar e tornar o site lançado mais eficiente, com vistas no desempenho e na melhoria contínua. Para cada fase desse processo, é importante avaliar como qualquer alteração que será implementada pode ou não criar valor agregado para os usuários a que se destina.

As etapas de um ciclo de Growth Driven Design são:

  1. Planejamento
  2. Desenvolvimento
  3. Aprendizagem
  4. Transferência

Tudo orientado para melhoria contínua.

Planejamento

Nesta etapa, é importante identificar quais aspectos e elementos do site têm maior impacto e planejar quais serão incluídos no processo de otimização.

Depois que os elementos mais relevantes forem definidos, sua implementação deve ser iniciada. É importante prever as fases de teste para cada item que será inserido, a fim de avaliar o impacto sobre o desempenho. Para avaliar a tendência, também é aconselhável identificar métricas de medição.

Aprendizagem

Uma vez que as mudanças necessárias para a melhoria foram implementadas, é necessário definir um período de verificação e coletar dados de suporte para preparar uma análise em relação às informações coletadas pelos usuários e entender se as mudanças feitas tiveram o impacto esperado. Então, aprendendo diretamente com a experiência de campo.

Transferência

O último passo é transferir as informações coletadas em ciclos de desenvolvimento futuros. De fato, depois de analisar e interpretar os dados de cada etapa do processo, é importante avaliar se eles podem ser úteis para outras áreas de negócios.

Melhoria contínua

Ao optar por adotar uma abordagem de Growth Driven Design, você terá a oportunidade de trabalhar em seu website constantemente, a fim de responder às mudanças contínuas nas necessidades, tanto mercado quanto dos usuários.

Desta forma, será possível ter uma ferramenta constantemente otimizada com base nas informações coletadas pelos usuários e melhorar a experiência de uso e a taxa de conversão.

Entenda se essa é a estratégia certa para sua empresa agora mesmo

Nosso time de especialistas em marketing digital está à disposição para entender tudo sobre seu negócio.

Que tal marcar uma conversa conosco?

Submit